Olá pessoal! Tudo bem? Hoje eu vim falar sobre o livro A Verdadeira Bela da autora parceira do blog/ig O Menino e O Livro. Espero que gostem!




Titulo Original: A Verdadeira Bela
Autor: Li Mendi
Editora: Highlands
Paginas: 159
Ano: 2013
Onde comprar: Site da autora / Editora Highlands / Cia. dos Livros







Sinopse:

Nicole está prestes a entrar para uma agência de publicidade famosa e lá enfrentará o conflito entre a auto-imagem e a visão distorcida dos seus colegas a seu respeito. A pressão psicológica que acontece com bullying nas redes sociais será vencida por um grande amor, que surge para fortalecê-la e protegê-la de todos os preconceitos.

Fernando é admirado por seu dinheiro e poder, mas, no fundo, luta contra uma secreta baixa auto-estima. Com medo da própria imagem que forma no olhar do outro, ele se critica e se fecha. Até que um dia seu caminho se choca com o de Nicole e os dois aprendem juntos que o amor não é cego. Ele vê com clareza o que nem todos veem: a verdadeira beleza completa do ser amado.

Com muito bom humor, este livro irá tomá-lo do começo ao fim e envolvê-lo em uma estória que fala de um homem tentando entender o seu passado e de uma garota lutando pelo seu futuro. De repente, os dois se veem um de frente para o outro e descobrem a essência de um amor eterno.

Resenha: 

Nicole, garota recém formada em publicidade, está a procura de seu emprego dos sonhos na grande empresa True-B. O que menos ela esperava é que o destino ia bater na sua porta e por meio de um desentendimento, ela conhece Fernando (que por coincidência é dono da empresa e ela não sabe).
Verei-me de lado e trombei num paredão humano. A sequência foi quase instantânea: o calcanhar desprendendo do salto, a bandeja sendo arremessada para frente e a onda havaiana de estrogonofe voando pelos ares. - Página 7
Andando pelo shopping, eles vão se conhecendo melhor e  logo desperta o interesse entre ambos, fazendo com que Fernando a convide para almoçar, e nesse almoço acaba acontecendo o que é esperado de todo leitor. Eles se apaixonam (sem se conhecer, mas sim!)
Como seria dedilhar todos aqueles fios enquanto o beijasse? - Página 10
Fernando, homem rico, pai de três crianças, vive lutando contra sua depressão e sua baixa alto-estima e quando ele conhece Nicole descobre que ela é mais que um rostinho bonito, é um anjo que caiu do cêu para ele, fazendo com que ele tenha motivos para sorrir de novo.
Eu sei como a conheci! E ela era a resposta de tudo. - Página 28
O que será que o destino guarda para o romance desses pombinhos? Será se eles vão ficar juntos? Ou será se vai ser só um passatempo? Eu só lhe digo algo, leia e você não vai se arrepender!

Com uma leitura rápida, sensacional e divertida, a verdadeira bela vai fazer você se apaixonar pelos protagonistas da história. Sem contar que vai fazer você se prender a história do inicio ao fim.

Posso contar da história que mesmo não sendo uma fábula, ela traz uma mensagem linda que quem ler o livro vai perceber qual é! Apenas fantástico!

Agradeço a autora por ter cedido o livro.

Sobre a autora:




Sou Jornalista, Publicitária e Escritora. Tenho 29 anos, moro no RJ e sou geminiana. Escrever começou como hobby e agora virou coisa séria, pois sempre serei “eternamente responsável” pelas leitoras que cativo e me acompanham pela estrada a fora.


Outros livros da autora: 



Para saber sobre os livros clique aqui!

Oi pessoal, hoje eu vim fazer uma tag muito interessante e divertida que eu vi no blog do Menino Leitor (link da postagem). Achei ela muito legal, ainda mais porque eu amo marcadores e adoro colecionar eles. Vamos para a tag!

1 – O Pequeno: Um marcador pequeno que faz toda a diferença.





















2 – O Impossível: Aquele marcador que você quase deu a vida para consegui-lo.






















3 – O Raro: Um marcador que você exibe como um troféu e causa certo desconforto entre os colecionadores.
























4 – O Desajeitado: Um marcador que é ruim para guardar, lidar e até mesmo mostrar.






















5 – O Belo: Um marcador que chame a atenção pela sua beleza.






















6 – O Popular: Um marcador que todo mundo tem, que é mais fácil de achar do que bêbado em boteco. (hehehe)






















7 – O Diferente: Um marcador que tenha alguma característica peculiar que o torna especial dentre os outros.






















8 – O Nostálgico: Um marcador que remeta a alguma lembrança boa.






















9 – O Presenteado: Um marcador que foi lhe dado de presente e você guarda com todo carinho.






















10 – O Gringo: Um marcador internacional que mais te atrai.






















11 – O Autografado: Um marcador que você ganhou autografado de alguém muito especial.



12 – A Coleção: Uma coleção completa ou incompleta de marcadores que você custou ou está custando completar.


13 – O Repetitivo: Um marcador que você tenha muitos iguais.


14 – O que não existe: Um marcador que você quer muito mas não o tem (Pode mostrar o livro se quiser).


15 – Tal livro, tal marcador: Um marcador que é tão especial quanto o livro, em capa, conteúdo e características.


Espero que tenham gostado da postagem!
Beijos e até a próxima!

Oi gente, hoje eu vim apresentar a vocês as novas parcerias do blog/ ig O Menino e O Livro. Espero que gostem e as recebam com todo carinho!

Leila Krüger

Sobre a autora:  Nasceu em Ijuí, Rio Grande do Sul. É romancista, poeta e contista. Tem poemas e contos em jornais, revistas e portais na Internet. Lançou Reencontro, sua primeira obra, um romance, em 2011 pela Editora Novo Século – SP. Após recebeu premiações nas categorias conto e poesia. Lançou o livro de poemas A Queda da Bastilha na Feira do Livro de Porto Alegre em 2012, pela Confraria do Vento – Rio. Em 2014 publicou o livro de crônicas Coração em Chamas, pela Multifoco – Rio, selo Redondezas Crônicas. Participou de várias antologias de poemas e contos entre os anos de 2011 e 2014.





Ana Lemos

Sobre a autora: Ana Lemos nasceu na cidade gaúcha de Caxias do Sul, em 1968, onde vive até hoje. Desde criança sempre foi viciada em leitura, prática esta que se estendeu pela sua vida adulta, já que escolheu o Direito como seu curso de graduação, onde a leitura e a exposição de teses é muito exigida. Após a graduação, foi aprovada em concurso público, tendo exercido cargo de assessora de Juiz de Direito por mais de 17 anos. Ana acredita que essa prática na leitura e elaboração de pareceres foi essencial para sua facilidade em descrever pessoas e situações do
cotidiano. É casada e mãe de dois filhos, Guilherme e Fernanda.
Suas maiores paixões são os amigos, livros, músicas e viagens, além de sua Golden Retriever, Monalisa.

Obras das autoras:


Titulo: Verme!
Autor: Jim Carbonera
Editora: Boêmia Urbana
Páginas: 200
Ano: 2014
Onde comprar: Livraria Cultura / Sebo Figura de Linguagem / Livraria Pandora





Sinopse: 

Entre o fictício e o real, Rino Caldarola narra em primeira pessoa suas desventuras e desatinos em Porto Alegre, sua cidade natal. Inconformado pela escassez de inspiração e à procura de um lugar ao sol no cenário literário brasileiro, o protagonista é o reflexo das desilusões e dos anseios que atormentam uma sociedade cada vez mais conturbada e contraditória. Com uma narrativa insolente e exasperada, Rino constrói e defende seu espaço pessoal utilizando-se de ironia, arrogância e de um erotismo cru. Busca desvencilhar-se de sua mãe coruja e do seu bairro que outrora fora de classe média, mas agora se elitiza em nome do progresso. E, principalmente, luta para desembaraçar sua paradoxal maneira de pensar e ver o mundo.

Resenha: 

Verme! é um estilo do qual eu não estava acostumado em ler, porém isso não me impediu de gostar bastante da leitura.
No livro observamos a vida de Rino Caldarola, gaúcho de 30 anos, que é desempregado, vive com seus pais e irmã, e se sustenta a partir de um aluguel de um apartamento. Logo no inicio do livro, conhecemos um pouquinho de sua vida, e percebemos que ele não passa de um brasileiro normal, mas a sua diferença está pelo seu jeito de filosofar diferente e verdadeiramente sobre temas do cotidiano.
A fantasia machuca menos que a verdade, pois é mais fácil de manejar e dominar.                                       - Página 12.
A vida de Rino pode ser descrita como uma vida de festas que ora são boas, ora são ruins. Como boas podemos descrever as noitadas que frequenta, as mulheres que conquista e a possibilidade de fazer "o que der na telha". Como ruins podemos descrever a vida pessoal, os problemas de saúde: hemorroida e herpes, e sua meia complicação no seu relacionamento com Diana, garota que conhece em uma das festas da banda Quartel da Cerveja e que acaba por "conquistar seu coração".

Um tema que é bem explicito e bem descrito no livro é a parte do erotismo e da mulher. Vemos que Rino por ser um galanteador, chama bastante atenção das mulheres e isso faz com que sua vida sexual seja bastante ativa e fogosa, mas entrando em detalhes sobre as mulheres, temos Diana: mulher feminista pela qual engatou um romance duvidoso com Rino. O romance deles é um tipo de amor que faz com que a gente pare e pense sobre como é tão ruim mas é tão perfeito ao mesmo tempo. E com certeza esse romance foi um ponto alto no livro.

Ao longo da historia, ele aprofunda seu pesamento em relação a alguns temas como: Politica, religião, entre outros.
No Brasil, qualquer pessoa metida na politica tem uma vida estável. Pode ser da menor cidade do pais, mas com certeza não passará necessidades. A politica nos dá poder. Num pais onde ser corrupto nunca sai de moda, que trabalha no setor está sempre acima do bem e do mal.   - Página 72.
 Podemos deparar que o ponto de vista de Rino é muito parecido com o de várias pessoas e isso faz com que o livro chame bastante atenção para o lado psicológico do protagonista e faça você pensar e repensar sobre o que foi dito e faz das ideias dele as suas.

Outro fator que podemos perceber no livro é a grande presença da cultura de seu estado e sua cidade (Porto Alegre - RS), podemos até classificar isso como um "patriotismo" ( mas não em especifico), e faz com que temos outro modo de ver o cenário da obra.

Por meio de todas essas desventuras, podemos definir a vida do protagonista como um barco, sendo levado pelo mar até onde ele o levar.


Observações:

Eu gostei muito da escrita que o autor proporcionou, achei mais ou menos leve, mas foi muito boa!
Gostaria de indicar essa obra para quem gosta de uma leitura realista, porém não indico para crianças por ter conteúdo adulto muito explicito. 

Sobre o autor:



Jim Carbonera nasceu no Brasil, em 27 de fevereiro de 1982. Natural de Porto Alegre, reside ainda hoje na cidade que serve de inspiração para suas escritas.

Iniciou escrevendo contos sobre o cotidiano, expandindo-se com o tempo para outras áreas literárias. A partir de autores como Alberto Fuguet, Charles Bukowski, Chuck Palahniuk, Ernest Hemingway, Herman Brusselmans, Pedro Juan Gutiérrez e Rubem Fonseca, injetou alma e realismo sujo à sua narrativa.

Formou-se em turismo, exercendo a profissão por quatro anos e abandonando-a para dedicar-se integralmente à literatura. Suas obras têm como cenários ambientes ríspidos, libertinos e atrozes. Segue o estilo literário do Realismo Urbano e Transgressivo.

Tem como projeto pessoal escrever — em forma de ficção — obras que relatem o ciclo urbano de Porto Alegre. Onde narrará as particularidades da cidade, dos seus moradores e dos visitantes que dão vida e personalidade para essa metrópole tão peculiar.  

É autor dos livros Divina Sujeira (Multifoco, 2011) e Verme! (Boêmia Urbana, 2014). Obras que fazem parte do projeto acima citado.

No momento o autor trabalha em seu terceiro livro, intitulado de Royal 47.